Qual a Importância do Teste de Estanqueidade para Impermeabilização e Como Fazer?

Antonio Neves
Escrito por
Antonio Neves
Publicado em
21/4/2020
Atualizado em
20/4/2021
Qual a Importância do Teste de Estanqueidade para Impermeabilização e Como Fazer?

O teste de estanqueidade para impermeabilização é um assunto que tem tudo a ver com precisão e segurança. Não existe outra forma de assegurar que uma área está corretamente impermeabilizada se o teste não for realizado. Essa particularidade faz com que cada vez mais pessoas (profissionais da área ou não) corram atrás de aprender a testar a superfície por conta própria. Mas será que o processo pode ser feito por qualquer pessoa?

O teste de impermeabilização também é chamado de estanqueidade. Essa palavra conceitua a propriedade de um elemento de bloquear a passagem de fluidos ou penetração. O mesmo também se aplica a um conjunto de componentes.

Existem diferentes tipos de testes. Todos eles são fundamentais, variando de acordo com o projeto de obra ou reforma. Neste artigo, vamos explicar por que essa verificação importa tanto e como ela trará resultados relevantes para o seu trabalho. Acompanhe!

argamassa polimérica flexível estruturada
Blok ST
Resina Impermeabilizante para Argamassa Polimérica Flexível Estruturada
CONHEçA AGORA
[Livro Gratuito] Impermeabilização Por Pressão Negativa e Positiva
MATERIAL GRATUITO

[Livro Gratuito] Impermeabilização Por Pressão Negativa e Positiva

baixe grátis

Por que o teste de impermeabilização é tão importante?

Como descrevemos acima, verificar a estanqueidade da superfície é o mesmo que testar sua impermeabilização. O ato de impermeabilizar é uma ação muito comum em reformas e obras, garantindo a interceptação do fluxo de água de uma superfície, encaminhando-o para os dispositivos que promoverão o descarte ou reaproveitamento.

Uma área bem impermeabilizada está protegida contra águas de chuvas, lavagens, banhos ou qualquer outra ação que faça uso da água. Essa proteção é de crucial importância já que o contato com a água pode causar problemas como o desplacamento de pisos, surgimento de fungos e bactérias, corrosão da armadura no concreto armado, entre outras manifestações patológicas. Desse modo, a impermeabilização bem feita surge como um trunfo da obra, garantindo uma finalização segura, bem preparada e com maior tempo de vida útil.

Quais são os tipos de impermeabilização?

Existem dois tipos mais comuns de impermeabilização: a rígida e a flexível. Continue acompanhando para entender a diferença entre ambas.

Impermeabilização rígida

A impermeabilização rígida é recomendada para ser utilizada em locais sem grandes movimentações da estrutura. Superfícies menos expostas às variações térmicas também podem se beneficiar dessa opção. Essa impermeabilização é feita com a aplicação de argamassas poliméricas.

Nesse caso, as estruturas que mais optam pelo formato rígido são:

  • fundações;
  • baldrames;

Impermeabilização flexível

Como o próprio nome indica, a impermeabilização flexível é direcionada para locais em que a estrutura pode se mover sem promover perdas aos outros elementos da edificação. Como exemplo, podemos mencionar o uso em:

  • varandas;
  • banheiros;
  • muros de arrimo;
  • jardins;
  • lajes (mistas, maciças ou pré-moldadas);
  • reservatório superior de água;
  • terraços;
  • pisos de cozinha;
  • áreas de serviço.

Os produtos mais populares para aplicação de impermeabilização flexível são as membranas poliméricas, moldadas in loco.

Como é feito o teste de impermeabilização?

A aplicação da impermeabilização precede o teste. Depois que ela é bem aplicada, é preciso executar o teste de carga d´água para checar a eficiência do sistema. A duração mínima do teste deve ser de, pelo menos, 72 horas. Além disso, seja em lajes, piscinas, varandas ou quaisquer elementos de construção, existem diferentes maneiras de executar a avaliação.

É interessante ter em mente que, caso sejam encontradas falhas na eficiência da aplicação, os reparos devem ser feitos o mais rápido possível. Continue acompanhando para entender como funcionam as opções mais comuns no mercado.

Teste de lâmina d’água

Como o nome indica, esse teste consiste em aplicar uma quantidade de água na superfície durante o período de, pelo menos 72 horas. Caso seja identificado qualquer indício de infiltração, deve-se reparar o problema e repetir o teste para posterior liberação. Vale observar que esse teste depende muito da observação dos projetistas, equipes de fiscalização e de quem aplica a impermeabilização.

Teste com dispositivos elétricos

Existem equipamentos elétricos conhecidos como “detectores de furos e falhas”, que podem ser muito úteis no teste de estanqueidade. Ele funcionam graças ao fechamento de arco voltaico, podendo comprovar a qualidade da selagem da superfície em um procedimento não destrutivo.

Teste com termografia infravermelha

Há também a possibilidade de avaliar os sistemas ou elementos construtivos de uma edificação termograficamente. Esse método serve para enfatizar a detecção de inconsistências nos padrões de temperatura. Assim, quando há diferença nos padrões analisados por meio desse método não destrutivo, é possível verificar a estanqueidade das impermeabilizações de forma altamente precisa.

Mapeamento vetorial por campo elétrico

Por mais que os materiais de impermeabilização não sejam condutores de eletricidade, a água é. Nesse método tecnológico, utiliza-se a própria água em uma área impermeabilizada para identificar a posição das falhas. Para isso, é preciso montar um circuito elétrico sobre a superfície do teste, e energizá-lo. Esse processo criará um campo elétrico mapeado pelos localizadores das possíveis falhas de impermeabilização.

Ground Penetrating Radar (GPR)

O GPR é um teste geofísico cuja metodologia está na propagação de ondas eletromagnéticas de alta frequência. Se o espectro atingir a interface entre materiais com permissividades dielétricas distintas, parte da onda refletirá em direção à superfície e o restante é refratada.

Quem deve executar o teste?

Todo e qualquer tipo de teste de impermeabilização precisa ser pela empresa contratante dos serviços e pela organização que realizou a impermeabilização. Assim, os reparos necessários poderão ser reparados com mais precisão e praticidade.

Qualquer pessoa pode iniciar os procedimentos de um teste de lâmina d’água sobre uma laje impermeabilizada, por exemplo. No entanto, só alguém experiente poderá interpretar o resultado do teste dentro do tempo certo, sabendo como proceder.

Existem empresas especializadas nesse segmento com profissionais preparados para lidar com os ensaios de estanqueidade. O processo realizado por um profissional pode trazer muitos ganhos para o gestor da obra, tanto na otimização do tempo, quando na excelência do processo.

O ensaio de estanqueidade é recomendado pela ABNT NBR 9574. Ela recomenda que os testes sejam feitos logo após a execução da impermeabilização. Portanto, previna-se, assegure a boa qualidade do trabalho e seja bem-sucedido em todas as etapas da edificação.

A melhor dica para quem deseja sucesso nessa etapa é contar com bons produtos impermeáveis. Quanto maiores forem chances de garantir um bom resultado no teste de impermeabilização, menores serão as preocupações com o retrabalho e elevação de custos.

Conheça nosso catálogo de produtos impermeabilizantes e garante o melhor que o mercado tem a oferecer para o sucesso do seu trabalho.

Entre para o time dos
melhores profissionais
da indústria da contrução civil
e mantenha-se sempre
informado sobre os maiores
avanços da sua profissão.