Pisos flutuantes: você quer saber tudo sobre esse revestimento?

Antonio Neves
Escrito por
Antonio Neves
Publicado em
5/4/2021
Atualizado em
30/4/2021
Pisos flutuantes: você quer saber tudo sobre esse revestimento?

Pode ser que você nunca tenha ouvido falar em pisos flutuantes, mas tenho certeza que assim que eu começar a explicar vai saber direitinho sobre o que se trata este artigo.

Os pisos flutuantes estão mais presentes na nossa vida do que você imagina, mas eu vou explicar. Apesar do nome soar esquisito, os pisos flutuantes nada mais são do que pisos que não precisam de argamassa para a instalação, sendo apenas encaixados. Vou esclarecer como isso acontece!

impermeabilizante para pressão negativa
Blok EP 2
Resina Impermeabilizante para Pressão Negativa
CONHEçA AGORA
[Livro Gratuito] Impermeabilização Por Pressão Negativa e Positiva
MATERIAL GRATUITO

[Livro Gratuito] Impermeabilização Por Pressão Negativa e Positiva

baixe grátis

É importante não confundir pisos flutuantes com pisos elevados, que inclusive já escrevemos um artigo sobre isso. Os pisos elevados possuem diversas vantagens, mas a principal delas é poder passar tubulações e cabos por debaixo deles.

Se quiser saber mais sobre pisos elevados, acesse nosso artigo sobre o assunto. Porém, hoje vamos falar sobre os pisos flutuantes, que nada tem a ver com os elevados, ok?

Agora que já esclarecemos a diferença entre pisos flutuantes e elevados e introduzimos o assunto que vamos abordar neste artigo, vou te apresentar os tópicos mais importantes sobre esse tema.

Primeiro, vou começar com uma introdução a respeito do conceito de pisos flutuantes, depois falaremos sobre suas vantagens e desvantagens, os tipos de pisos flutuantes, sua aplicação e preço.

Tenho certeza que vou trazer informações relevantes que acrescentarão no seu dia a dia de trabalho. Então, venha comigo!

O que são pisos flutuantes?

Apesar do nome parecer ser alguma coisa do outro mundo, os pisos flutuantes são mais comuns do que você imagina e é muito fácil encontrá-los por aí em residências, escritórios ou estabelecimentos comerciais.

Os pisos flutuantes nada mais são que os revestimentos laminados e vinílicos, muito presentes nas construções hoje em dia.

Mas, imagina o porquê desse nome estranho? Os pisos são chamados de flutuantes porque não precisam de argamassa para a instalação, sendo sua aplicação muito simples através apenas de encaixes, ficando “flutuando” sobre o contrapiso.

Seu uso tem sido preferido entre as outras opções pela sua fácil aplicação, que não gera sujeira, entulhos e ainda garante um acabamento muito interessante para a construção!

Devido às inúmeras vantagens que os pisos flutuantes oferecem, como a fácil aplicação e o acabamento bonito, vêm sendo uma das escolhas preferidas.

Se você está interessado em utilizar esse revestimento na sua obra, confira essa matéria que preparei com todas as informações que precisa saber!

Quais são suas principais vantagens e desvantagens?

Como já falei aqui, a principal vantagem que os pisos flutuantes oferecem é a dispensa de uso de argamassa para a aplicação, o que diminui custo, tempo, mão de obra e geração de sujeira e resíduo. Esse ponto já é uma grande vantagem quando comparado com outros tipos de revestimentos. Mas, vamos apresentar outras vantagens e as desvantagens que os pisos flutuantes podem apresentar. Depois, é com você! Coloque na balança para decidir o que é melhor para a sua obra!

Dentre as vantagens, podemos citar:

  • Fácil e rápida instalação, uma vez que dispensa o uso de argamassas além de não gerar sujeira e entulho. Porém, é importante contar com mão de obra profissional para o encaixe perfeito das peças.
  • Conforto térmico e acústico: mantém os ambientes não muito gelados, como os pisos cerâmicos, sendo indicado para locais mais frios. Também oferece um bom isolamento acústico, não propagando ruídos e barulhos para os andares de baixo, no caso de apartamentos.
  • Resistência e durabilidade: se bem conservado, fazendo as limpezas e manutenções conforme orientações do fabricante, os pisos flutuantes garantem boa resistência e durabilidade.
  • Ótimo acabamento estético: os pisos flutuantes possuem diversos modelos e tons, geralmente imitando madeira, o que deixa o ambiente aconchegante e confortável.
  • Fácil limpeza: deve ser feita apenas com o uso de vassouras e um pano úmido com água e sabão.
  • Bom preço: os pisos flutuantes oferecem bom preço quando comparados com pisos de madeira ou porcelanato.

Já em relação às desvantagens que os pisos flutuantes podem apresentar, podemos citar os seguintes pontos:

  • Baixa resistência à umidade: seu uso não é indicado em ambientes úmidos, como banheiros ou cozinhas, pois não podem ter contato direto com a água.
  • Barulho interno: apesar de apresentar isolamento acústico bom para as áreas externas, internamente os barulhos se refletem.
  • Risco de acidentes: por ser um piso muito liso, pode causar escorregões.
  • Exposição ao sol: pode sofrer desbotamento.
  • Pode riscar em caso de alta abrasão.

Quais são os tipos de pisos flutuantes?

Há dois tipos mais comuns de pisos flutuantes existentes no mercado: os pisos laminados e os vinílicos.

Os pisos laminados são placas rígidas, compostas de derivados de madeira compensados. Por conta da sua composição, são intolerantes ao contato com água ou umidade. Uma grande vantagem desse material é que a maioria dos fabricantes o produzem com material 100% reciclável, o que o torna sustentável.

Já os pisos vinílicos são pisos sintéticos emborrachados, feitos com borracha de PVC e fibra de vidro, o que faz com que sua placa seja flexível. Muito comum em hospitais, pois não propicia a proliferação de microorganismos. Os vinílicos possuem mais resistência quando em contato com a água.

Há algumas diferenças entre esses dois tipos de pisos flutuantes, em relação ao preço, resistência à umidade e aparência.

Como é feita a aplicação?

Como já dissemos, a aplicação dos pisos flutuantes é bem simples, pois dispensa o uso de argamassa, porém alguns pontos são importantes para que você não tenha problemas futuros, certo?

Então, se atente para as informações que vou trazer neste tópico para que a aplicação seja executada de forma a garantir o melhor resultado para seu piso laminado ou vinílico.

O primeiro passo é a análise do contrapiso. Nesta etapa, você deve avaliar o contrapiso onde o revestimento será aplicado, pois ele precisa estar limpo, seco e nivelado.

Caso não esteja nessas condições, será necessário deixar a superfície adequada para a aplicação.

Antes da aplicação do piso e depois de nivelada e limpa a superfície, você precisa impermeabilizar o contrapiso para evitar danos ao revestimento. Mas, como fazer isso? É simples!

Basta você seguir esses passos: primeiro, você deve aplicar uma demão do Blok EP 2, uma resina impermeabilizante semi-flexível que deve ser utilizada para evitar infiltração por pressão hidrostática negativa.

Após a cura do produto, você deve passar três demãos do produto Blok ST, um impermeabilizante flexível para pressões hidrostáticas positivas, isto é, combatendo a umidade e garantindo durabilidade para os pisos. 

Depois de impermeabilizados os contrapisos, eles estarão prontos para a instalação dos pisos. Você precisa aplicar a manta sobre o contrapiso no sentido oposto ao da colocação das réguas, para assim diminuir a disseminação de ruídos pela construção.

Depois, basta seguir os passos de posicionamento e aplicação das réguas com colas específicas ou utilizar o método click, que dispensa o uso de colas para a instalação, sendo as peças apenas encaixadas.

Para garantir uma instalação perfeita, conte com mão de obra especializada e que conheça a técnica de aplicação de pisos flutuantes. Assim, você evita possíveis acidentes no futuro.

Qual o preço do piso flutuante?

O preço dos pisos flutuantes depende bastante do material e do fabricante. Porém, de modo geral, os pisos laminados apresentam um preço menor do que os vinílicos.

Mas, você também precisa considerar o custo da mão de obra, que conta bastante no valor final do metro quadrado.

Apesar do preço variar entre os laminados e vinílicos, quando comparados esses pisos com um porcelanato, por exemplo, é claro que o custo é bem menor, não só por conta do produto em si, mas porque a instalação de um piso de porcelanato demanda custos com argamassa, rejunte e mão de obra. 

Por isso, avalie bem qual piso atenderá às necessidades da sua obra e calcule todas as variáveis para não encontrar surpresas no meio do caminho!


Conclusão


Hoje, você aprendeu sobre os pisos flutuantes e quais são as suas principais características. Portanto, considere todos os pontos que expusemos aqui para então decidir que piso é o mais indicado para a sua obra! E não se esqueça de utilizar os produtos da Blok para impermeabilizar o contrapiso e garantir resultados ainda melhores!

Entre para o time dos
melhores profissionais
da indústria da contrução civil
e mantenha-se sempre
informado sobre os maiores
avanços da sua profissão.